3/01/2017

Sonho (da noite do dia 15 para o dia 16 de julho de 2016)

Horário de registro: 04h51. Sonho confuso e truncado. Estou diante de um computador pessoal qualquer cuja tela está ligada. A interface é uma mistura do Whatsaap e do Youtube. Começa ser exibido um vídeo feito pelo meu irmão abaixo de mim.

Seu conteúdo é o convite da festa junina que aconteceu no sábado passado na casa dos meus pais. Além de lampejos de imagens o texto é parcialmente legível e compreendo várias frases convocando os meus parentes para participarem desta última edição do evento. 

Mas, aos poucos aumenta a velocidade de exibição e isso está prejudicando a compreensão, por exemplo, pois não consegui ler o nome do DJ e de muitas outras informações de forma detalhada. Contudo, sinto orgulho de ver um trabalho caprichoso de divulgação e promoção.

De súbito vim parar num local que me lembra um dos pastos do sítio onde cresci. Observando em volta me deparo com uma construção. Ela aparenta ser uma moradia popular. E esta é minha segunda tentativa de entrar nela. Agora que consegui entrar procuro alguém que me oriente.

Aqui está repleto de gente desconhecida. Não sei se sou uma mulher, ou  investigo tudo pelos olhos de uma. Fica a impressão de que ela é negra e esta sentada numa cadeira diante de um piano. Do seu lado esquerdo há um rapaz negro sentado. E ele possui um cavanhaque carapinha.

De repente o rapaz começa a dedilhar o teclado com os dedos do seu braço direito. Alguns compassos depois a moça  toma parte dedilhando com o seu braço esquerdo. A música é surpreendente. Apesar de ambos fazem peripécias incríveis com apenas uma de suas mãos. 

Mas, percebo que tanto eu quanto o rapaz estamos mesmo impressionados com esta figura extremamente habilidosa. Por mim falo sobre o fato de ela fazer coisas para complicadas no piano como os acordes. O fraseado é incrível do começo ao fim.

Vejo que o duo retoma o concerto. Esta nova melodia soa muito mais esplendida que a primeira. Contudo, esta melodia me soa familiar. Mas,  não me recordo o nome dela tampouco a autoria. Também estou surpreso com a harmonia extraordinária que chega ao meu ouvido.

Acabou o conserto e estou curtindo um momento de êxtase. Inclusive eu/a personagem feminina gritamos efusivamente uma frase frase próxima ao sentido de uma expressão inglesa: “great”! Também todos os presentes batemos palmas efusivamente. 

Agora ela exclama que pelo menos alguma coisa a tirou de um estado entediante, ou coisa parecida. Só que as forças letianas, a euforia dificultam o entendimento do restante do pensamento do meu alter ego. Inclusive ele menciona o nome da data que é comemorada.

Eu/a pianista  levantamos da cadeira e estudamos o entorno. E notamos que aqui  é um lugar aberto e ele tem a aparência de uma praça pública bem arborizada encrostada num bairro residencial. Pela incidência da luz dá a impressão de que estamos no período da manhã.